Páginas

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

O conde de Mr. Archer

Não tenho vergonha nenhuma de dizer que Jeffrey Archer foi, junto com Sidney Sheldon, responsável por distrair-me durante inúmeras tardes da minha adolescência. Não me lembro quando li Caim e Abel (Kane & Abel, 1979) pela primeira vez, mas me lembro de ter ficado apaixonada pela história. O livro acompanha dois homens – nascidos no mesmo dia, mas em locais e condições as mais opostas possíveis – durante 60 anos e três gerações. A rivalidade entre os dois é assustadora e envolvente.

Mr. Archer, assim como Mr. Sheldon, perderam um pouco a mão nos últimos livros. Filhos da sorte (Sons of fortune, 2003) não chega ao rodapé de Caim e Abel, talvez porque tenha sido o primeiro livro lançado depois que ele lançou saiu da prisão – em 2001, o autor foi condenado por perjúrio e ficou preso por dois anos.

No próximo dia 7 de março, Mr. Archer lançará mais um livro. A Prisoner of Birth é uma releitura de O conde de Monte Cristo, em que a história é transferida para a Londres atual. Muito me agrada a idéia, já que considero Monte Cristo um folhetim delicioso. Todos os elementos essenciais para que possamos nos divertir sem culpa estão lá: amor, traição, vingança. Edmond Dantès é um personagem odioso e cativante ao mesmo tempo, sua determinação é admirável. Quem não quiser ler o catatau de Alexandre Dumas, recomendo a versão cinematográfica estrelada por Jim Caviezel e Guy Pierce. A fotografia é belíssima.


Ao que parece, estou entrando em uma fase de reconciliação com os autores pop que pululavam em minhas prateleiras na adolescência e época da faculdade: primeiro, falei sobre John Grisham e, agora, Jeffrey Archer. Será nostalgia, já?

2 comentários:

Simão disse...

Não é o livro, Turtle, mas o leitor... é sempre o leitor.
Amplexos!

Anônimo disse...

Uia, eu não lembrava que já havia comentado aqui. Olha, a sua dica foi sensacional. Encomendei alguns dele, todos em Inglês, naturalmente, para aprimorar. Devem chegar no início de maio.
Obrigaaaduuuu!
Simão