Páginas

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Resoluções de Ano Novo


É tão clichê fazer uma lista de resoluções de ano novo... Ao mesmo tempo, é irresistível. Tem algo de renovador – ou de místico, sei lá! – no dia 1º de janeiro que faz as pessoas pensarem em tudo o que gostariam de fazer diferente em sua vida.

Acho que o fato de acordarem de ressaca, depois de taças e taças de champagne em meio a fogos de artifício, contribui para que uma das mais populares resoluções seja a de não abusar da bebida.

Logo em seguida, disputando acirradamente o primeiro lugar, está a resolução de perder peso. Todo mundo gostaria de se livrar de um quilinho a mais, ou dois, ou dez. E que época melhor para fazer isso que o verão? As Festas já passaram, o peru, tender e pernil já acabaram, sobraram só duas fatias ressecadas de panetone e todo aquele espumante foi devidamente escoado. Perfeito.

Postulado derivado da resolução anterior é a resolução de fazer exercícios. Caminhar, correr, ir a academia são figurinhas carimbadas em toda lista. Quanta originalidade.



Não me entendam mal. Acho que todas essas resoluções são ótimas e eu mesma já as escrevi várias vezes. Que elas tenham perecido no momento em que chegou o Carnaval é outra história, mas elas existiram.

Meu desejo, porém, é ler que a resolução de Ano Novo de alguém é tornar-se uma pessoa melhor, e não necessariamente mais bonita, compreendem? Não importam os meios a serem utilizados, mas que sejam ferramentas de evolução.

Como eu não resisto, aí vai a minha lista de resoluções: fazer trabalho voluntário, doar sangue regularmente, ler um livro por semana, assistir a mais filmes nacionais, não xingar os outros motoristas, aguardar pacientemente em filas, voltar a estudar, ver menos televisão, assinar (e ler!) um jornal. E, simplesmente, não abandonar o blog.

E quanto a vocês?

2 comentários:

Aarão disse...

Lindona, se eu fosse resolver ficar mais bonito, Deus, ao ouvir meus votos, riria tanto, mas tanto, que perderia os sentidos. Talvez o mundo escurecesse. Sabe?, não nasceu ainda o Pitangui que dê jeito neste meu aspecto de batida de fusca com jumento.

Bia disse...

Opa, obrigada pelo lindona!
Querido, se o mundo escurecesse por sua causa, acenderíamos velas, lamparinas, lanternas, faróis e nos regalaríamos conversando sobre literatura. Não esquente e continue lindão como és!
Beijos!